Planejar o futuro é muito mais complexo do que se imagina. Existe a expectativa e a realidade, muitas expectativas não se tornam em realidade ou se torna diferente do que imaginamos. Além de planejamento existe outras ações necessárias que devem ser tomadas. Deve ter também força de vontade, insistência, perseverança e o mais importante, a oração. A oração nos dá direção para seguirmos ou pararmos se estivermos em direção errada ou até mesmo darmos um tempo para depois prosseguir. Orar nos leva a esperar o tempo de Deus para que nossos projetos e sonhos venham a dar certo, pois é frustante não conseguir realizar nossos objetivos, podendo até nos levar a um desanimo e esfriamento na fé. Antes de iniciar um projeto, seja ele na sua vida profissional, familiar, pessoal, ou amorosa, consulte ao Senhor, Assim tudo que fizeres se sairá bem.

Perguntas para uma pessoa de sucesso.

Qual pergunta você faria a uma pessoa de sucesso? A maioria perguntaria como ela conseguiu chegar ao sucesso. Uma resposta que chama a tenção é: “”Estude enquanto os outros dormem; Trabalhe enquanto os outros passeiam; Se prepare enquanto os outros brincam; E sonhe enquanto os outros desejam.”

Cuidado com o Fermento!

“Vede e acautelai-vos do fermento dos fariseus e dos saduceus” (Mateus 16:6). Quando Jesus ofereceu estas palavras de advertência aos Seus apóstolos, ele se apoiou em milhares de anos de significado simbólico da palavra “fermento”. Quando entendemos o uso deste termo na Bíblia, podemos ver algumas aplicações da sua advertência, que é importante para nossos esforços ao servir o Senhor.

Baseando-se nesta tradição de que o fermento representava alguma coisa má, impura e inaceitável por Deus, Jesus e Paulo se referiram às falsas doutrinas como fermento. Jesus advertiu contra o fermento o falso ensinamento dos fariseus e dos saduceus (Mateus 16:12). Paulo disse que aqueles que tentavam persuadir os cristãos a voltarem à pratica da lei de Moisés espalhavam o fermento (Gálatas 5:4-9).

Exatamente como os filhos de Deus no Velho Testamento tinham que oferecer sacrifícios ázimos (isto é, sem fermento) e puros, hoje Deus espera que nossos sacrifícios espirituais sejam livres de impurezas. Para ajudar-nos a apreciar este fato, Deus nos deu o exemplo do sacrifício perfeito e sem pecado oferecido por seu Filho. Os cristãos de hoje celebram a Ceia do Senhor com pão asmo, porque este foi o que Jesus usou na comunhão-modelo com seus apóstolos. Quando consideramos o simbolismo do fermento, fica aparente que nenhum outro tipo de pão poder ser satisfatório. Cristo foi nosso sacrifício ázimo, sem pecado (1 Coríntios 5:7-8). Temos que imitá-lo e também sermos verdadeiramente sem fermento (1 Coríntios 5:7). Uma igreja que é sem fermento e pura não permite imoralidade ou falso ensinamento (1 Coríntios 5:9-13).

  • O Fermento do Erro
  • Sacrifícios sem Fermento
  • A Importância de Ser Moralmente sem Fermento

Nossa sociedade é, infelizmente, cheia do fermento de imoralidade. A desonestidade, a cobiça e a sensualidade têm corrompido as vidas de inúmeras pessoas e ameaçam cada um de nós, todos os dias. Os jornais estão cheios de relatos da corrupção no Governo. As revistas e os filmes tiram lucro da exploração do pecado sexual. Jesus nos chama para sermos luzes e para mudar este mundo escuro e corrompido (Mateus 5:14-16)

Porém, muitos que afirmam estarem seguindo Jesus estão ignorando esta determinação. Enquanto proclamam estão se atualizando com um mundo em mudança, algumas igrejas vão aprovando certas práticas claramente condenáveis, como o adultério (Lucas 16:18) e o comportamento homossexual (Romanos 1:26-27; 1 Coríntios 6:9-11). Onde Jesus exigia santidade, estas igrejas modernas a substituem por uma atitude tolerante que aceita, o câncer mortal do pecado e encoraja a morte espiritual eterna (Romanos 6:23). O fermento está agindo, corrompendo os justos.

O entendimento desta tendência humana para corromper o que é bom e justo, nos auxiliará a encontrar nosso caminho na travessia da confusão dos erros humanos, e chegar à verdade revelada por Deus. Em cada encruzilhada temos que insistir na resposta à pergunta que Jesus fez aos chefes religiosos espalhadores do fermento, no seu tempo: “. . . do céu ou dos homens?” (veja Mateus 21:25). Com este teste, poderemos seguir a inspirada determinação de Paulo: “. . . julgai todas as cousas, retende o que é bom; abstende-vos de toda a forma de mal” (1 Tessalonicenses 5:21-22). O fermento humano tem que ser rejeitado, quando nós seguimos “o caminho, a verdade e a vida” (João 14:6).

Por Pastor Ricardo Rossi

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

Topo
Siga-nos: